Homens de Coragem

CORAGEM PARA SER DIFERENTE, COMPROMISSO PARA FAZER DIFERENÇA.

O papel do marido — parte 2

“Do mesmo modo vocês, maridos, sejam sábios no convívio com suas mulheres e tratem-nas com honra, como parte mais frágil e co-herdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações”

1Pedro 3.7

 

O papel do marido traz muitas responsabilidades de peso. Maridos têm de tratar a mulher com honra. A palavra grega em que foi escrito originalmente 1Pedro 3.7 e que foi traduzida por “honra” significa “valor”, “o mais alto grau de estima”, “dignidade”, “consideração”. Em outras palavras, é obrigação do esposo tratar a pessoa com quem se casou como alguém muito importante, grandioso e nobre; que ocupa um posto elevadíssimo; que precisa ser alvo de carinho, apreço, afeição e afeto; que deve ser admirado e respeitado. Isso é tão sério que, se o marido não tratar sua esposa desse modo, suas orações serão interrompidas. A coisa é grave.

E tem mais: “O marido deve cumprir os seus deveres conjugais para com a sua mulher, e da mesma forma a mulher para com o seu marido” (1Co 7.3). O contexto em que o apóstolo Paulo escreveu esse preceito deixa claro: aqui, o assunto é sexo. Compete ao marido satisfazer sexualmente a esposa. Isso é um mandamento, e não uma opção. É atribuição do esposo, está em seu job description.

Em Efésios, lemos: “Quem ama sua mulher, ama a si mesmo. Além do mais, ninguém jamais odiou o seu próprio corpo, antes o alimenta e dele cuida, como também Cristo faz com a igreja” (Ef 5.28-29). Cabe ao homem zelar pelo bem-estar material dela. Isso de modo algum significa que ela não possa, por exemplo, trabalhar. Pelo contrário: quando Provérbios lista as características da mulher exemplar, mostra que a dedicação ao trabalho é uma de suas virtudes. “Escolhe a lã e o linho e com prazer trabalha com as mãos. Como os navios mercantes, ela traz de longe as suas provisões. […] Entrega-se com vontade ao seu trabalho” (Pv 31.13-14,17).

Por fim, a Bíblia destaca ainda outra função do homem casado: “Maridos, ame cada um a sua mulher e não a trate com amargura” (Cl 3.19). Amargura” é a propriedade ou característica de quem é severo, áspero, intransigente, azedo. Não convém ao homem ser assim. No trato pessoal, ele deve ser perdoador, tolerante, gentil, flexível, suave, doce. Você é desse jeito?

E aí, marido? Será que está deixando de agir em algum aspecto como Deus espera que você aja com sua esposa?

 

Trecho do livro Perdão total no casamento (editora Mundo Cristão), de Maurício Zágari. Maurício é teólogo, escritor, editor e jornalista